quinta-feira, maio 03, 2007

Naquele quarto escuro I

- Despe-te, não tenhas medo.
- Despeço-me?
- Não. Despe-te, fofinha.
- Está muito frio e os meus pés estão azuis, não vês?
- Eu estou quentinho, linda.
- Tens a barba da cor da do meu avô.
- Tenho a barba da cor da do pai natal.
- Não quero.
- Queres.
- Dói.
- Já passa.

2 comentários:

Dora Francisco disse...

Gostei do que li, em geral. Muito. Assustei-me com este último texto, confesso. Boa escrita. Visite-me e critique, se achar que vale a pena.Também sou jusrita e já fui docente da UCP.Este "bichinho" da escrita vai vencendo à tirania do direito...

Anónimo disse...

se está a doer tem de pôr gelo